SEGUNDA-FEIRA – 23/FEVEREIRO/2015

SaoLazaroIconografoS. LÁZARO DE BlZÂNClO (867). Monge de Constantinopla, natural do Cáucaso, pintor de ícones, perseguido pelos iconoclastas (inimigos das imagens sagradas) favorecidos pelo imperador Teófilo que lhe mandou queimar as palmas das mãos. Padroeiro dos pintores, escultores, invocado nas dores dos braços e das mãos. Não confundir com
o Lázaro do Evangelho, festejado a 29/Julho juntamente com as irmãs Marta e Maria.

S. POLlCARPO (867). Bispo de Esmirna (Turquia) morreu apunhalado, amarrado a uma estaca para ser queimado vivo (por ter recusado acender incenso ao imperador), quando os algozes viram que, milagrosamente, as chamas não o tocavam. Policarpo é considerado, com o papa S. Clemente e S.TO Inácio de Antioquia, um dos 3 principais Padres Apostólicos. Foi discípulo de S. João que o terá sagrado bispo.

Levítico 19, 1-2.11-18 ; Sal 18 B, 8-10.15 ; Mateus 25, 31-46

“EU SOU O SENHOR…”(Levítico 19,1-2.11-18). Deus dirige-Se a Moisés : “Fala a toda a assembleia dos filhos de Israel e diz-lhes : “Sede santos, porque Eu, O Senhor, vosso Deus, sou Santo!”. Este convite podia assustar-nos se não fosse seguido duma enumeração de gestos a evitar para não se ferir o próximo. Conhecemos bem essas palavras: roubo, mentira, fraude, perjúrio ; opressão, exploração, retenção do salário, abuso dos fracos; ilegalidade, favoritismo, injustiça, calúnia, morte ; ódio, fraqueza, vingança, rancor. O que caracteriza o texto é cada uma destas séries de palavras vir pontuada com o refrão : “Eu sou O Senhor!” A repetição da expressão, simultâneamente tão forte e tão simples, faz-nos entrar no fundo de nós mesmos e ajuda-nos a ir até à raíz do mal: tudo o que aqui é descrito, é contrário a Deus. Deus não é assim, não age desta forma. Na Bíblia, santidade e benevolência vão a par. Dar de beber a quem tem sede, visitar um doente, uma pessoa de idade, é, ao mesmo tempo, dar a conhecer, tocar Jesus doce e humilde de coração, e servi-lO naquele que nos solicita. Cuidar dos irmãos em humanidade é um caminho quotidiano de santidade.

Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye (Suplemento Panorama,  Edição Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.