SÁBADO – 10/JANEIRO/2015

BTO. GONÇALO DE AMARANTE (1262). Dominicano, evangelizador do Minho.

STO. AGATÃO, Papa (681). “Combateu a heresia do monofisismo”.

1 João 5,14-21 ; Sal 149, 1-6a.9b; João 3,22-30

LIGUEMO-NOS A CRISTO! (1 Jo.5,14-21). Termina a leitura da epístola de S. João. Um bom exercício espiritual será relê-la na íntegra. Entender-se-á então melhor que o pecado é afinal tudo o que nos separa da vida recebida dO Senhor. Agarrando-nos a Cristo, estaremos certos da Sua misericórdia. O pecado que leva à morte é a separação de Jesus Cristo. No fim deste tempo da natividade, S. João exorta-nos a ligarmo-nos a Cristo. Esta ligação constrói-se, dia após dia, pelo encontro dos irmãos, pelos sacramentos, pela oração e pela solidariedade vivida no quotidiano. Pertencemos totalmente a Cristo porque, ao contrário do “mundo”, Ele dá a todos a vida recebida dO Pai.

“ELE BAPTIZAVA…” (Jo.3,22-30). Baptizaria Jesus verdadeiramente? Pode duvidar-se, porque o evangelista diz, mais adiante, que “na verdade, não era Jesus em pessoa que baptizava, mas os Seus discípulos” (João 4,2). Se O próprio Jesus tivesse baptizado, Ele teria assim, de facto, já instituído o baptismo cristão… Ora, o baptismo cristão – nO Espírito – é fundado no mistério pascal, na morte e ressurreição de Cristo: “é na Sua morte que nós fomos baptizados em Cristo” (Rom.6,3). O baptismo dos discípulos não é ainda o baptismo cristão mas permite levar as multidões a Jesus: “todos vão a Ele”. Nós que fomos baptizados no baptismo cristão, podemos, pela nossa vida, “baptizar” à maneira dos discípulos, ou seja, levarmos o mundo a Cristo.

“Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye (Suplemento Panorama, Edição Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.