QUINTA-FEIRA – 25/DEZEMBRO/2014 NATAL DO SENHOR

Isaías 52, 7-10 ; Sal 97,1-6 ; Hebreus 1,1-6 ; João 1,1-18

SaoJoaoEmPatmos_Memling“NO PRINCíPiO…” (João 1,1-18). Quantos anos terá João meditado no retiro de Patmos, para escrever estas breves linhas? Desde as primeiras palavras somos submergidos no coração do projecto de Deus. João retoma o vocabulário do livro de Génesis que diz: “No princípio, Deus criou o céu e a terra”. É necessário entender a profundidade da palavra “princípio” no amplo sentido bíblico : não se trata de uma simples datação cronológica. Os dois relatos da Criação propostos nas primeiras páginas da Bíblia não têm pretensão histórica: mais profundamente, apontam-nos o sentido da nossa vida aos olhos de Deus. Para os que viveram com Jesus, tudo se clarificou: “No princípio era O Verbo!”. A mensagem fundamental do Natal está neste prólogo de S.João: “O Verbo fez-se carne e habitou entre nós, e nós vimos a Sua glória”. S. João – o teólogo – afirma claramente a Encarnação dO Senhor. Não é certo que esta realidade da fé esteja perfeitamente integrada na mentalidade dos cristãos de hoje. Falta saber o que entendemos por “Encarnação dO Senhor”. É impossível dar-se uma resposta totalmente desenvolvida da fé, mas nunca devemos colocá-la depressa demais na “prateleira” dos valores tradicionais. Cada época e cultura – e até cada pessoa – tem que re-apropriar-se dos diferentes aspectos do dogma. Ele contém toda a graça da revelação bíblica, mas necessita esclarecimento constante e interpretação em Igreja. Oremos para a expressão da nossa fé ser pertinente, e assim muitos a recebam e guardem.

“Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye (Suplemento Panorama, Edição Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.