SEGUNDA-FEIRA – 22/DEZEMBRO/2014

STA. FRANCISCA XAVIER CABRíNI (1850-1917). Santa activa, audaz, sem um desfalecimento, uni-da a Deus e confiada no Coração de Jesus e em S.Francisco Xavier. Com o apoio de Leão XIII, fundou, em 1877, as “Missionárias do Sagrado Coração de Jesus”, cujo alvo de missão era, escreveu ela, “o Ocidente, não o Oriente como fez S.Francisco”. Entre 1901 e 1913 emigraram para a América 4.711.000 italianos e um grande número de italianos ficava em Nova York. Em trinta anos de atividade, Francisca Cabrini fundou (1889) um orfanato em Nova York, a primeira de 67 instituições na Itália, França, nas Américas, e no Brasil. Morreu de desinteria no hospital de Chicago, já cidadã americana. Foi canonizada em 1949 pelo papa Pio Xll.

BTA. JUTTA DE SPANHEIM (1091-1136). No mosteiro beneditino de Disiboden (cerca de Maiença), ensinou Hildegarda de Bingen, sua futura sucessora, com 8 anos, a escrever e dirigiu-a no caminho da santidade. Jutta era praticante severa do ascetismo, incluindo a auto-flagelação penitencial e utilizando uma corrente de ferro como cilício.

1 Samuel 1, 24-28 ; 1 Samuel 2, 1. 4-8 ; Lucas 1, 46-56

OMagnificatNaVisitacaoO MAGNíFICAT É UM CÂNTlCO CONTESTÁRIO (Lucas 1,46-56). Apesar dO “Magnificat” se ter tornado uma oração oficial da Igreja, temos que render-nos à evidência de que ele é, de facto, um texto destabilizador. Ele surge-nos em “contra-mão”, face a todos os nossos reflexos habituais. Ele exalta a humildade de Maria e diz-nos estar aí o segredo da sua bem-aventurança; confirma que Deus dispersa e despede os poderosos e orgulhosos, mas exalta os humildes; afirma que cumula de bens todos os necessitados e esvazia aqueles que vivem na abundância de bens. De facto, O “Magnificat” é a tradução – em acção de Graças – das Bem-aventuranças. Esboça o retrato de Jesus e, ao mesmo tempo, o retrato de Maria, que se tornou a Sua primeira discípula. A sua lógica é a que necessitamos obter para vivermos como testemunhas dO Reino. Com Maria cantemos, na fé, este cântico de louvor, cântico que permite a Deus actuar concretamente em cada um de nós, para que o testemunho da encarnação de Jesus se torne, realmente, testemunho na nossa carne.

“Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye (Suplemento Panorama, Edição Bayard, Paris). Selecção e Síntese: Jorge Perloiro.