lV DOMINGO DO ADVENTO – 21/DEZEMBRO/2014

S. PEDRO CANíSIO (1521-1597). Pedro Canísio nasceu em Nimega (hoje na Holanda, então parte da Alemanha). Foi teólogo no Concílio de Trento. Grande pregador e professor, lutou contra a expansão do protestantismo nos países germânicos. Daí o seu título de “segundo apóstolo da Alemanha, depois de S.Bonifácio”. Das 36 obras que escreveu, o mais célebres é o “Catecismo”, em 3 volumes, com perguntas e respostas sobre a fé. Doutor da Igreja.

2 Samuel 7,1-5. 8b-12.14a.16 ; Sal 88, 2-5. 27. 29 ; Rom.16, 25-27 ; Lucas1, 26-38 

AAnunciacaoDoAnjoQUE NOVlDADE! (Lucas 1,26-28). Eis-nos novamente, com Maria, imersos no mistério da expectativa do Natal. No meio dos anúncios das gares ferroviárias e dos aeroportos, dos “spots” publici-tários, ou ainda, dos acontecimentos assinalados nas redes sociais, esta é a “bomba noticiosa” que deveria abrir todos os media e ser “prime time” de todos os telejornais. “Como sucederá, se não conheço homem?” Aqui está uma frase surpreendente para os espíritos modernos. Sendo Deus Todo-Poderoso – a Deus tudo é possível – porque teria Ele feito surgir um novo ser no ventre duma mulher sem intervenção de homem? O mais importante da mensagem não está porém aqui. A linguagem um pouco misteriosa desta narrativa faz parte do tesouro da expressão religiosa : se o Verbo de Deus ia tornar-se carne era importante que manifestasse desde o início a Sua identidade particular. Nasce de uma mulher mas a Sua origem é mais abrangente que a de uma simples paternidade terrestre: O Seu Pai é Deus, como Jesus não cessará de repetir nos evangelhos. Hoje é-nos anunciado que Maria será a mãe dO Salvador, que terá por nome “Emanuel”, “Deus connosco”. Para além da ressonância mediática sobre a qual nós não temos controle, faltará saber o que os ouvintes desta tão grande novidade, desta Boa Nova, irão fazer com uma informação que ultrapassa o imaginável. Quem poderia adivinhar, além dos que tinham lido e meditado profetas como Elias, que Deus iria entrar assim na nossa história, pela porta dum estábulo e não, ao som das trombetas, por um arco de triunfo real? Certamente por o homem ser tão pequeno, foi necessário Deus entrar entrar no mundo através das fragilidades das nossas vidas e da história dos homens. Com a certeza de que O Espírito Santo nos “cobrirá” e nos englobará a todos nesta vocação nova da huma-nidade: transformar-nos numa grande família que terá não apenas Deus como Pai, mas também como Irmão. Como terá sido exactamente a Sua concepção jamais alguém o poderá saber. Foi na verdade obra dO Espírito, seja qual fosse a forma a que O Espírito tenha recorrido. Voltemo-nos para Maria, com infinito respeito pela sua fé de discípula, nunca posta em causa. Que a sua intercessão nos guie no mesmo caminho!

“Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye (Suplemento Panorama, Edição Bayard, Paris). Selecção e Síntese: Jorge Perloiro.