TERÇA-FEIRA – 2/DEZEMBRO/2014

BTA. MARIA ÂNGELA ASTORCH (1592-1695). Carmelita catalã, fundadora do mosteiro da “Exaltação dO Santíssimo Sacramento” em Múrcia, onde jazia o seu corpo incorrupto, profanado na Guerra Civil 1936-39. Morreu a cantar o hino “Pange lingua gloriosi”. S. João-Paulo II beatificou-a (1982).

BTO. JOÃO DE RUYSBROECK (1293-1381). Ensinava que a alma encontra Deus no seu Eu mais profundo. Distinguia 3 graus no progresso da “escada espiritual”: vida activa, vida interior, e vida contemplativa. Sacerdote, teólogo e notável escritor místico escreveu obras em flamengo medieval, vertidas para o latim ; por exemplo : “As núpcias espirituais” e “O reino dos amantes de Deus”.

Isaías 11,1-10 ; Sal 71, 2. 7-8. 12-13. 17 ; Lucas 10, 21-24

ArvoreDeJesse_Mostaert“O QUE TU ESCONDESTES AOS SÁBlOS E INTELIGENTES….” (Lucas 10,21-24). Só nos faltava ser “burros”, quando livros inteiros da Bíblia nos convidam à sabedoria!? Notemos porém que Jesus não opõe aos sábios e inteligentes, os insensatos e os espíritos estúpidos, mas sim os pequeninos, ou seja os humildes. Não são pois a inteligência ou o saber que afastam, mas o orgulho do espírito. Na Sua vida e ensino, Jesus sublinhou sempre ser a humildade que leva a Deus. Mas nós não podemos conhecer e amar Deus unicamente por nós mesmos, e teremos de passar por Outro: teremos de passar pelO Filho para conhecer O Pai, pela Igreja para acedermos aO Filho, e pelos homens fracos para compreendermos o mistério da Igreja, santa e pecadora. “…TU O REVELASTES AOS PEQUENINOS.” Felizes seremos se pertencermos a esses pequeninos que aguardam a luz da árvore de Jessé, que ilumina e descobre as obscuridades, numa relação directa com a humildade com que nos dispuzermos a procurá-la, a pedi-la e a recebê-la. Num movimento interior oposto àquele que consiste em “considerar-se como uma luz”!

“Meditações Bíblicas”, trad. dos Irmãos Dominicanos de Saint-Martin de Mondaye (Supl. Panorama, Ed. Bayard). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.