SEGUNDA-FEIRA – 6/OUTUBRO/2014

S. BRAparicaoDaVirgemMariaASBrunoUNO (1032-1101). Natural de Colónia, ensinou teologia em Reims e depois retirou-se com seis companheiros para o maciço da Grande-Cartuxa (Isère), “a fim de procurar os bens eternos”. Suas três maiores virtudes foram: grande espírito de oração, mortificação extrema e devoção à Santíssima Virgem. Nascia a “Ordem da Cartuxa”.

Gálatas 1, 6-12 ; Sal 1110,1-2. 4-5. 7-10c ; Lucas 10, 25-37

“UM OUTRO EVANGELHO…” (Gálatas 1,6-12). Depois da partida de Paulo, outros prégadores cristãos vieram ao encontro dos Gálatas que ele tinha ganho para Cristo e convenceram-nos a deixar-se circuncidar e a seguirem a lei de Moisés, como sinal distintivo, garante da salvação que tinham acolhido. Ora só há um único Evangelho, uma Boa Nova, que se destina a todos sem distinção ou condições, sem marcas na carne nem exigências prévias. O único Evangelho, é a revelação de Jesus Cristo como Filho de Deus, que convida todos os homens a receberem O Espírito de filiação, a tornarem-se irmãos, seja qual for a sua religião, o seu estatuto social ou o seu sexo : todos são Um em Jesus Cristo.

AGIR PELO SEU PRÓXIMO (Luc.10,25-37). O que deve tocar-nos mais o coração na parábola do bom Samaritano, é a espontaneidade da iniciativa e a sua total gratuitidade: o que o Samaritano faz pelo seu “próximo” e que o torna a si próprio “o próximo” daquele sobre o qual se debruça para o ajudar. Tudo isto feito sem a sombra de um cálculo, de uma hesitação, de um passo atrás. Peçamos a Cristo a graça de saber aproximar-nos de igual maneira do que a providência põe sob o nosso olhar e sob o nosso gesto, para agirmos em consequência, na gratuitidade da caridade !

“Meditações Bíblicas”, trad. das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort (Supl. Panorama, Ed. Bayard, Paris)