1ª QUINTA-FEIRA – 31/JULHO/2014

STO. INÁCIO DE LOYOLA (1491-1556). Fundador da Companhia de Jesus. Os seus “Exercícios Espirituais” traçam um caminho para quem quiser consagrar a sua vida à glória de Deus. Foi canonizado em 1622 pelo Papa Gregório XV.

S. GERMANO (378-448). Um dos grandes prelados da sua época este Bispo d’Auxerre, durante trinta anos, encorajou a vocação de Santa Genoveva. Realizou duas viagens a Inglaterra para combater a heresia de Pelágio que ali se propagava.

Jeremias 18,1-6 ; Sal 145, 2-6 ; Mateus 13, 47-53

OReinoDosCeusEhComparavelAUmaRede_LuykenDISCERNIMENTO (Mat.13,47-53). Nas parábolas de hoje, dá-se uma separação. A separação entre o que é bom e o que é mau, entre os justos e os pecadores, onde se sublinha que O Reino implica um “discernimento”, palavra cuja etimologia é “separação”. O crente é convidado a confrontar-se com o dom que recebe e a “discernir” a resposta que deve dar-lhe, encontrando neste processo de discernimento um caminho de liberdade e de dom de si mesmo. Se há um texto da Escritura que nos propõe um acto de fé é este. Na verdade, se olharmos para a Criação, para a grande história dos homens e para a nossa pequena história, temos a impressão que O Criador colocou na Sua obra tudo o que é necessário para que ela se desenvolva com total autonomia. Isto é verdade sobretudo para as criaturas dotadas de razão e liberdade. Portanto, mesmo que O Criador continue interessado por nós, poderá pensar-se que se reserva para intervir somente no final, para então fazer “a separação”, como Jesus diz na parábola da rede lançada ao mar.

“Meditacões Bíblicas”, trad. das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort (Supl. Panorama, Ed. Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.