TERÇA-FEIRA – 8/JULHO/2014

Oseias 8, 4-7.11-13 ; Sal 113B, 3-10 ; Mateus 9, 32-38

“ELES AGIRAM SEM ME CONSULTAR” (Os.8,4-7.11-13). É esta censura que Deus faz ao Seu Povo. Todavia, estes homens estão cheios de boa vontade e procuram agradar a Deus. São generosos e dão o seu ouro e dinheiro para fabricar o que o profeta chama “ídolos”. E esses ídolos são, no espírito dos que se ajoelham à sua frente, imagens que representam o verdadeiro Deus. Porém Deus é severo e ameaça fazê-los voltar ao Egipto, ou seja, à escravidão. Fraquezas dos homens que se atêm apenas ao seu juízo e não vêm “consultar Deus”… Diz-se na Escritura:“Há caminhos que parecem direitos ao homem mas que terminam no fundo do inferno”. Ninguém está livre de os percorrer, e S.Bento cita este texto aos seus monges. Podemos chamar “mal” ao que é “bem” e “bem” ao que é “mal” se nos esquecemos de consultar Deus.

JesusCuraOPossessoMudoO OLHAR DE JESUS (Mat.9,32-38). Este relato também retrata as comunidades cristãs de 2014! Muitas sentem-se abandonadas, sem pastor. Sim, as nossas comunidades são pobres e colocam-se questões. Neste contexto não jogaremos nós aos exorcistas como os fariseus ? Podemos até dizer de Jesus : “É pelo chefe dos demónios que Ele expulsa os demónios”. Somos tentados a ver só os fracassos ou o que está contra os nossos interesses. Consultar Deus para evitar este perigo não deve ser um acto passageiro, mas a atitude permanente do espírito e do coração. Jesus propõe-nos a alternativa missionária: ter o Seu olhar, um olhar de piedade pelo povo. Ser trabalhador da missão, é ver sempre as necessidades dO Reino.

“Meditações Bíblicas”, trad. das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort (Supl. Panorama, Ed. Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.