QUINTA-FEIRA – 25/SETEMBRO/2014

BeataJosefaNavalGirbesBTA. JOSEFA NAVAL GIRBÉS (1820–93). Virgem, carmelita secular, abriu novos caminhos de santidade para a maioria dos membros da Igreja do mundo laical. O tempo em que viveu foi um tempo muito perturbado para a Igreja: “ O grande escândalo do séc. XIX foi a perda da classe operária”, disse o Papa Pio XI. A casa de Josefa, o seu atelier de bordadeira, o seu catecismo, os círculos de formação de mulheres, as suas obras de caridade eram o seu convento. Exemplo e palavra! Josefa viu claramente os deveres do cristão leigo e viveu-os. S. João-Paulo II beatificou-a (1988).

Cohélet 1, 2-11 ; Sal 89, 3-6.12-14.17 ; Lucas 9, 7-9

INDIFERENTES A TUDO (Cohélet 1,2-11 ; Lucas 9,7-9). Pode suceder ficar-se por vezes como O Esclesiastes, indiferente a tudo! Tudo parece igual e sem valor, julga-se saber tudo e controlar todas as coisas. Tal como Herodes, não se sabe o que pensar. Finalmente, “que aproveita ao homem tudo isso”? É o “para que serve”? Estes textos da Escritura retratam-nos e provocam-nos: será que vamos querer continuar a ver o mundo como sinistro e sem finalidade? É verdade que as coisas mudam, que muitas já não são possíveis e outras nunca o serão. Como vamos reagir? Dizendo “nada de novo” e “já não sei o que pensar” ? Ser fiel a Cristo convida a uma lúcida esperança: Cristo, vencedor da morte é maior que tudo. Com a Sua prégação, com os Seus gestos, Jesus coloca-nos uma pergunta. Até Herodes fica intrigado. Fazer perguntas é o primeiro acto de evangelização, como na manhã de Pentecostes.

“Meditacões Bíblicas”, trad. das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort (Supl. Panorama, Ed. Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.