TERÇA-FEIRA – 1/JULHO/2014

Amós 3,1-8; 4,11-12 ; Sal 5, 5-8 ; Mateus 8, 23-27

JesusEntrouNaBarcaJESUS ENTROU NA BARCA (Amós 3,1-8; 4,11-12), (Mat.8,23-27). A ideia que se pode retirar dos exemplos que apresenta o profeta Amós, é que Deus se empenha a fundo na história humana; a razão colocada à frente e que não pode ser discutida porque é a mais forte: “Escolhi amar”. Diz a sequência do texto: “pedirei contas dos vossos crimes”. Se Deus não amasse, não interviria e as más acções continuariam. Nós, relativamente aos que nos são indiferentes, dizemos : “é lá com eles ; não tenho nada com isso ; que se amanhem, eu lavo daí as minhas mãos !” Mas não diremos o mesmo dos que nos são próximos, porque a sua causa é a nossa. E, todavia, Amós estava longe de adivinhar, por maior profeta que fosse, até onde podia chegar este amor de Deus por nós. Um amor que pode resumir-se na frase de Mateus : “Jesus entrou na barca”. Uma expressão familiar que exprime bem o projecto de Deus sobre o homem. Quando há um perigo e estamos em terra podemos ser egoístas e dizer : “Salve-se quem puder…” Numa barca nada há a fazer, é a solidariedade total. As pessoas espantaram-se com o milagre… Mas o facto mais espantoso não será que o amor de Deus tenha subido para a barca dos homens? “Quem é este Jesus, que se diz ter ressuscitado? O momento da resposta está próximo para mim e eu espero, com o olhar confiante das crianças, o instante em que estarei com Aquele em que por fim tudo se ordena e recapitula”. Jean Guitton (1901-99) “Últimas palavras”.

“Meditações Bíblicas”, tradução das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort (Supl.Panorama, Ed.Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.